Provedores ameaçam suspender internet na Bahia por 24h devido a problema com Coelba

Sábado 10 de Junho , por Juliana Ribeiro // Foto: Hugo Arce / Fotos Públicas

Um imbróglio entre as empresas provedoras de internet e a Coelba, que compartilha os postes com as prestadoras do serviço, pode deixar os baianos sem acesso à rede por 24 horas. De acordo com o Sindicato das Empresas de Internet do Estado da Bahia (Seinesba), a companhia de energia estabeleceu novos critérios para o cabeamento nos postes da cidade, que deve ser seguido pelos provedores. No entanto, o prazo para adaptação foi apenas de 30 dias. “Para as empresas de internet se adaptarem a esta norma da Coelba há a necessidade de operações complexas que envolvem tempo e altos investimentos”, pontuou o presidente do Seinesba, André Costa. O sindicato informou ainda que a empresa já tem realizado cortes dos cabos, principalmente em locais que contam com provedores de menor porte. Na tentativa de solucionar o problema sem danos para a população, será realizada na próxima segunda-feira (12) uma reunião na sede da Coelba, com representantes da empresa, além de Costa, do presidente da Associação Brasileira das Empresas de Internet (Abranet), Eduardo Parajo, do gerente Regional da Anatel nos Estados da Bahia e Sergipe, Hermano Barros Tercius, e do vice-presidente da Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), Jakson Almeida. No mesmo dia, uma assembleia geral do Seinesba discutirá a possibilidade de realizar uma paralisação de 24 horas dos serviços de internet em toda a Bahia. O objetivo da entidade é chamar a atenção da sociedade para os prejuízos causados pela decisão da Coelba e dos cortes sistemático dos cabos dos provedores.


PESQUISA APONTA MAIORIA SATISFEITA COM ADMINISTRAÇÃO DA BAHIA E SALVADOR- 2018 VEM AI

Sábado 10 de Junho , por Juliana Ribeiro, em Politica

‘Própria de ditaduras’, diz Cármen Lúcia sobre governo acionar Abin contra Fachin

Sábado 10 de Junho , por Juliana Ribeiro, Foto STF

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, disse que é inadmissível, se confirmada, a investigação contra o ministro da Corte Edson Facin por parte do governo. Em nota, Cármen Lúcia repudiou a espreita espúria, inconstitucional e imoral contra qualquer cidadão, mais ainda contra um de seus integrantes. “Própria de ditaduras, como é esta prática, contrária à vida livre de toda pessoa, mais gravosa é ela se voltada contra a responsável atuação de um juiz, sendo absolutamente inaceitável numa República Democrática, pelo que tem de ser civicamente repelida, penalmente apurada e os responsáveis exemplarmente processados e condenados na forma de legislação vigente”, diz o texto da nota. Reportagem da revista Veja desta semana apontou que o presidente Michel Temer acionou a Agênca Brasileira de Inteligência (Abin) para monitorar o relator da Operação Lava Jato no STF. Temer negou ter dado a ordem e disse que não usa a máquina pública contra os cidadãos . Cármen Lúcia disse ainda que, “caso comprovada a ocorrência, as consequências jurídicas, políticas e institucionais terão a intensidade do gravame cometido”. “A Constituição do Brasil será cumprida e prevalecerá para que todos os direitos e liberdades sejam assegurados, o cidadão respeitado e a Justiça efetivada”, continua o texto.


Temer nega ter utilizado Abin para grampear Fachin

Sábado 10 de Junho , por Juliana Ribeiro matéria Atualizado

Segundo a nota encaminhada à imprensa, “o governo não usa a máquina pública contra os cidadãos brasileiros”

O presidente Michel Temer  (PMDB) divulgou nota pública na noite desta sexta-feira (9) em que nega ter acionado a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) para grampear o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin Segundo o Estadão, a denúncia havia sido divulgada em reportagem da revista Veja.

De acordo com o comunicado encaminhado pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República, “o governo não usa a máquina pública contra os cidadãos brasileiros, muito menos fará qualquer tipo de ação que não respeite aos estritos ditames da lei”.

Leia o texto na íntegra:

“Nota à imprensa

O presidente Michel Temer jamais “acionou” a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) para investigar a vida do Ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin, como publicado hoje pelo site da revista Veja. O governo não usa a máquina pública contra os cidadãos brasileiros, muito menos fará qualquer tipo de ação que não respeite aos estritos ditames da lei. A Abin é órgão que cumpre suas funções seguindo os princípios do Estado de Direito, sem instrumentalização e nos limites da lei que regem seus serviços.

Reitera-se que não há, nem houve, em momento algum a intenção do governo de combater a operação Lava Jato. Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República”


Governo acalma os ânimos na Assembleia

Sábado 10 de Junho , por Juliana Ribeiro via Tribuna da Bahia  //Foto: Divulgação

Os ânimos estão mais calmos entre os deputados estaduais e, aos poucos, a Assembleia Legislativa da Bahia parece voltar ao normal. Nesta semana, a base do governo compareceu e o Plenário teve quórum suficiente para aprovar alguns projetos que estavam travando os trabalhos há mais de três meses.O clima melhorou depois que o presidente da Casa, deputado Ângelo Coronel (PSD), afirmou em primeira mão para a Tribuna que o Governo do Estado tem interesse em resolver o imbróglio do pagamento das emendas impositivas até o início do segundo semestre. “Conversei com o governador e ele me assegurou que até julho estará cumprindo e acabando com esse impasse. Senti firmeza no governador com essa garantia”, disse ao jornal na última segunda. Os parlamentares, tanto da base quanto da oposição, estavam “desestimulados”, segundo palavras do próprio Coronel, a participar de votações após quase três anos de atraso dos pagamentos – ainda mais agora que eles precisam mostrar obras para tentar a reeleição em 2018. Durante mais de 60 dias, as sessões estavam sendo derrubadas ainda no pequeno expediente, antes das 15 horas. “O sobrestamento da pauta não tem rótulo, se é governo ou oposição. São todos os deputados que estão pleiteando uma coisa que é de direito de cada um. Se o Congresso Nacional tem emendas para os deputados e são cumpridas, aqui também nós temos as nossas e precisam ser cumpridas. Como estão há quase três anos atrasadas, os parlamentares ficam desestimulados – principalmente em um ano pré-eleitoral”, afirmou Coronel na última segunda. Já na terça, o efeito das declarações foi visto na Assembleia: a Casa apreciou seis proposições, aprovando três delas por unanimidade e uma por maioria. Procurado pela Tribuna novamente ontem, Coronel afirmou fez um apelo para que os deputados dêem um “voto de confiança” para o governo. “Nós reunimos a bancada da base e também me reuni com a bancada da oposição e fiz um apelo que deveríamos dar um voto de confiança para o governo”, disse. “O governador [Rui Costa] me disse que tem muita gente que tem reclamado, mas que praticamente já liquidou tudo. Então, ficaram de fazer um levantamento para zerar até julho. Então com isso nós destravamos a pauta e votamos projeto do governo”, completou. Com a liberação da pauta, abre-se um caminho para o início das discussões da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2018, que começa a ser votada nas comissões na próxima terça-feira: “Depois das comissões, tem mais um prazo regimental para vir ao Plenário. Então, acredito que deveremos votar a LDO até o dia 28, porque o recesso [parlamentar] é no dia 30”.

fonte e informações via Tribuna da Bahia 

Cacá Leão nega insatisfação do PP com Rui: relação está mais forte

Sábado 10 de Junho , por Juliana Ribeiro;Reprodução

O governador chamou para ele a relação com o PP e com os demais partidos da base

Liderança do Partido Progressista (PP) na Bahia, o deputado federal Cacá Leão pôs fim, pelo menos por ora, às conversas de bastidores de que havia um movimento de insatisfação generalizada entre os deputados estaduais da legenda com o governador Rui Costa (PT). Nos bastidores, voltou a se falar em rompimento, possibilidade que Cacá Leão nega com veemência. “Se a gente for fazer uma avaliação hoje, eu digo a você a relação está muito mais forte.

O governador chamou para ele a relação com o PP e com os demais partidos da base. Ele tem conduzido pessoalmente reuniões com os deputados e ouvido a demanda de cada um deles com atenção. É claro que pode um parlamentar ou outro cobrar a questão das emendas, mas não tem jeito. O País passa por um momento muito ruim. Todos os governos são afetados, e com Rui não está sendo diferente. Tem também aquelas queixas dos parlamentares com relação via Relações Institucionais (com o secretário Josias Gomes). Mas o próprio governador superou isso, e hoje o diálogo existe e funciona”, garantiu Cacá.

Embora seus principais líderes neguem em público, o PP, do vice-governador João Leão, continua a circular nos bastidores informações sobre a suposta insatisfação com o governo. Além do trato com o Executivo, que é feito preliminarmente com o secretário Josias Gomes (deputado federal licenciado), parlamentares de partidos da base têm ajudado os da oposição a reclamar do governo pelo atraso no pagamento das emendas dos parlamentares. Mas em público, ainda não apareceu um progressista a admitir o movimento de insatisfação com o Executivo.

Em entrevista à Tribuna, o deputado estadual Luiz Augusto também minimizou a suposta insatisfação. “Não tem nada disso. Tivemos uma reunião essa semana com o governador. Está tudo tranquilo. É calundu de alguns deputados de vem em quando, e isso é normal em qualquer democracia. João Leão conduz bem o partido ao lado de Rui. O governo não deixa de atender seus deputados.

Não existe risco de rompimento, nem mesmo existe essa insatisfação. O governador vai pagar as emendas. Ele já nos deu garantia, e temos certeza de que isso vai acontecer”, afirmou o parlamentar. Do lado do governo, o clima também é de tranquilidade com o partido que lhe garante a segunda maior base de apoio na Assembleia Legislativa (o PSD do senador Otto Alencar é o maior).

fonte e informações via Tribuna da Bahia

PF divulga vídeo de entrega de propina a primo de Aécio Neves

Sábado 10 de Junho , por Juliana Ribeiro //Foto: Reprodução/TV Globo

Segundo o Jornal Nacional, quatro malas com R$500 mil cada foram entregues em diferentes encontros de Frederico com Ricardo Saud, executivo da J&F

A Polícia Federal divulgou nesta sexta-feira (9) imagens de um encontro entre Ricardo Saud, executivo da J&F, e Frederico Pacheco de Medeiros, primo do senador afastado Aécio Neves (PSDB), no dia 12 de abril deste ano.Segundo o Jornal Nacional, quatro malas com R$500 mil cada foram entregues pelo executivo a Frederico na sede da empresa, em São Paulo. De acordo com os investigadores, o dinheiro foi repassado ao assessor do senador Zezé Perrella (PMDB), Mendherson Souza Lima, e este último levou o montante ao senador.

A reportagem divulgou que R$480 mil foram encontrados na casa da sogra de Mendherson, no município de Nova Lima, no interior de Minas Gerais – o restante do dinheiro, no entanto, continua desaparecido. À emissora, a assessoria de Aécio garantiu, mais uma vez, que o dinheiro em questão fazia parte de um empréstimo que o senador fez junto a Joesley Batista e que, como não envolveu dinheiro público ou contrapartidas, não deve ser chamado de “propina ou corrupção”.


Exclusivo :PGR tem áudio inédito da JBS que compromete Temer

Sábado 10 de Junho , por Juliana Ribeiro matéria Atualizado – 13h30

Material está em sigilo e investigadores não sabem quando podem usar parte do conteúdo gravado pelo empresário Joesley Batista, sócio da JBS, que firmou acordo de delação premiada com o órgão

Joesley Batista e Michel Temer (Foto: Época)

A Procuradoria-Geral da República (PGR) guarda em segredo uma gravação entregue ao órgão por Joesley batista, sócio da JBS, capaz de incriminar o presidente Michel Temer (PMDB). A informação foi divulgada na noite desta sexta-feira (9) pela da revista Época. Segundo a publicação, os investigadores ainda definem o momento certo para levar o material à tona, o que pode complicar ainda mais a situação do peemedebista.


Planalto teme pressão sobre Geddel Vieira Lima

Sábado 10 de Junho , por Juliana Ribeiro  (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O Palácio do Planalto já trabalha com a possibilidade de o ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) ser o próximo alvo da Polícia Federal e da Procuradoria-Geral da República (PGR) em investigações. Interlocutores do presidente Michel Temer dizem que ele tem sido “atacado” com o objetivo de desestabilizar o governo. Nesta semana, o ex-ministro foi intimado a depor como testemunha no inquérito ligado a Temer. Geddel é investigado pelo suposto recebimento de “vantagens não contabilizadas” da construtora Odebrecht em campanhas eleitorais em 2006 e 2014. Os pagamentos, segundo o Ministério Público Federal (MPF), tinham como contrapartida o apoio de Geddel à aprovação de medida provisória e em contratos referentes ao Transporte Moderno de Salvador II (TMS II). A investigação foi aberta com base em delações premiadas de três ex-executivos da Odebrecht: Marcelo Odebrecht, herdeiro do grupo, Cláudio Melo Filho e João Antonio Pacífico Ferreira. O caso foi encaminhado em abril para a Justiça Federal na Bahia, com cópia para a Procuradoria da República no Estado, porque o ex-ministro não tem mais foro privilegiado. Geddel deixou o governo em novembro do ano passado após denúncias de que teria pressionado o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero a liberar a construção de um prédio nos arredores de uma área tombada, em Salvador. Geddel foi questionado no fim de maio pelo Estado sobre a hipótese de fazer delação. “Isso é uma canalhice, um desrespeito, uma indignidade”, disse ele àépoca. Agora, ele afirmou que não comentaria. O advogado de Geddel não foi encontrado. O Planalto também avalia que há a possibilidade de os ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) e Eliseu Padilha (Casa Civil) também serem alvo da PGR e da PF.


Procuradores Da República Repudiam Gilmar Mendes

Sábado 10 de Junho , por Juliana Ribeiro,Fonto Ascom ANPR

A Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) vem a público para registrar o caráter inadequado e infundado das críticas assacadas contra o MPF, feitas pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, na tarde desta sexta-feira, 12, durante sessão que trata sobre a cassação da chapa Dilma-Temer.

O Ministério Público Federal tem independência funcional garantida na Constituição e mesma estatura dos juízes exatamente para não estarem seus membros submetidos a ninguém que não à lei e suas consciências. O Brasil precisa de instituições que funcionem com serenidade, com impessoalidade, sem cores políticas e sem temor.

Assim tem sido o comportamento do Ministério Público Federal na Lava Jato e em toda sua atividade, por todos os seus membros, e assim foi a atuação escorreita do vice-procurador-Geral Eleitoral Nicolao Dino de Castro e Costa Neto, realizada na tarde de hoje, com todo o País de testemunha.

O MPF não recebe ordens de quem quer que seja e não exerce suas funções constitucionais pedindo permissão a outrem, ainda que a presidentes de tribunais. A ANPR lamenta assim, as declarações desproporcionais e sem base do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, em plena sessão do TSE, na tarde de hoje.

O Ministério Público Federal continuará cumprindo serenamente seu dever constitucional de zelar pelo regime democrático, sempre disposto a forjar a tempera das Instituições, com lealdade à lei e à Constituição.” por José Robalinho Cavalcanti Procurador Regional da República Presidente da ANPR