PF encaminha à Procuradoria inquérito sobre palestras de Lula

Terça feira, 13 de Junho por Juliana Ribeiro //Foto: Lula Marques/ Agência PT

A suspeita é de que os pagamentos feitos à companhia por eventos com o petista no Brasil e no exterior ocultem o repasse de propinas

 Ex- Presidente Luiz Inácio Lula da Silva 

A Polícia Federal encaminhou para o Ministério Público Federal (MPF) o inquérito que investiga supostos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro praticados pelo ex-presidente Lula em sua empresa de palestras, a LILS Palestras, Eventos e Publicações.

A suspeita é de que os pagamentos feitos à companhia por eventos com o petista no Brasil e no exterior ocultem o repasse de propinas. Os investigadores apuram recebimento direto de R$ 9 milhões de seis empreiteiras acusadas de cartel e corrupção na Petrobras.

Criada em 2011, após Lula deixar a Presidência da República, a LILS movimentou R$ 52,3 milhões até 2015. Foram R$ 27 milhões recebidos, a maior parte de empreiteiras e grandes empresas, e R$ 25,2 milhões em débitos. Informações do Estadão.


Afastamento e pedido de prisão de Aécio serão julgados próxima semana

Terça feira, 13 de Junho por Juliana Ribeiro  Foto Reprodução Montagem

O senador afastado pede para voltar ao cargo, enquanto a PGR solicita a prisão preventiva do tucano, sob a suspeita de ter recebido “vantagem indevida”

Ministro Marco Aurélio de Mello  

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), confirmou, nesta terça-feira (13), que os recursos de Aécio Neves (PSDB-MG) e da Procuradoria-Geral da República (PGR) serão julgados na próxima terça (20).

O senador afastado pede para voltar ao cargo, enquanto a PGR solicita a prisão preventivamente do tucano, sob a suspeita de ter recebido “vantagem indevida” no valor de R$ 2 milhões da JBS. “Eu vou trazer a julgamento o agravo da Procuradoria e o agravo dele. Aí você tem extremos. A Procuradoria, pedindo a prisão, e ele, querendo voltar à cadeira”, afirmou Marco Aurélio.


VALENTÕES COVARDES SE JUNTAM PARA XINGAR MÍRIAM LEITÃO EM VOO DA AVIANCA

Terça feira, 13 de Junho por Juliana Ribeiro 

PETISTAS EM BANDO INSULTAM JORNALISTA DURANTE 2 HORAS EM VÔO


Primeira Turma do STF nega liberdade à irmã de Aécio Neves

Por 3 votos a 2, colegiado negou pedido por entender que Andrea Neves ainda apresenta risco de cometimento de novos crimes; ela foi presa em maio após pedir R$ 2 milhões a Joesley Batista.

Andrea Neves, irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG), em imagem do dia de sua prisão, em Belo Horizonte (Foto: Raquel Freitas/G1)
Andrea Neves, irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG), em imagem do dia de sua prisão, em Belo Horizonte (Foto: Raquel Freitas/G1)

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira (13) manter a prisão preventiva de Andrea Neves, irmã do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG). Por 3 votos a 2, o colegiado rejeitou o pedido de liberdade, por entender que ela ainda apresenta risco de cometimento de novos crimes.

Votaram pela manutenção da prisão os ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux. Foram vencidos no julgamento os ministros Marco Aurélio Mello (relator do caso) e Alexandre de Moraes.

Presa preventivamente (antes de julgamento) no dia 18 de maio no âmbito da Operação Patmos, Andrea Neves já foi denunciada pela suposta prática de corrupção. Em fevereiro, ela pediu ao empresário Joesley Batista R$ 2 milhões, dinheiro que foi repassado depois em malas de dinheiro a um primo de Aécio.

A defesa diz que ela pediu o dinheiro para bancar a defesa de Aécio Neves na Lava Jato e que foi ao encontro de Joesley para tentar vender um apartamento de R$ 40 milhões no Rio de Janeiro.

Ao pedir a soltura de Andrea, o advogado Marcelo Leonardo alegou “alteração do quadro fático” desde a prisão e lembrou que, diferentemente do irmão, ela não é acusada de organização criminosa e obstrução da justiça, mas somente por corrupção.

“O fato em relação a ela está circunscrito a um fato de fevereiro. Impossível falar em reiteração criminosa, especialmente para uma senhora de 58 anos de idade que demonstrou certidão negativa. É pessoa primária, com profissão definida, residência fixa, tem todas as condições para a liberdade”, disse. Continuar lendo

(mais…)


Aleluia anuncia obstrução para impedir votação da PEC das Diretas

Terça feira, 13 de Junho por Juliana Ribeiro

Deputado federal afirma que há um trabalho das minorias para criar uma “instabilidade” no país com pedido de eleição popular

Foto: Cleia Viana / Câmara dos DeputadosFoto: Cleia Viana / Câmara dos Deputados

O deputado federal José Carlos Aleluia (DEM) disse, nesta terça-feira (13), que a base do governo vai se valer do chamado “kit obstrução” para impedir a votação da PEC das Diretas, que prevê eleições para presidente e vice-presidente da República em caso de vacância a qualquer tempo, exceto nos seis últimos meses do mandato.

A admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição é analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ). O primeiro item do chamado “kit obstrução” pretende a votação nominal do requerimento de inversão de pauta. Na prática, como a PEC é o único item da pauta, a medida pretende apenas prolongar o início dos debates.

Para Aleluia, a Assembleia Constituinte foi “sábia” ao decidir por eleições indiretas nos dois últimos anos do mandato e não há motivo para alterar as regras. “Não se pode fazer uma eleição em 30 dias, caso as vacâncias ocorressem no último mês do mandato, por exemplo”, disse, ao pontuar que há um trabalho das minorias para criar uma “instabilidade” no país.


Sergio Cabral é condenado a 14 anos de prisão

Terça feira 13 de Junho, por Juliana Ribeiro,//Foto Reprodução

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB-RJ) foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 14 anos e 2 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato. O peemedebista foi acusado por propina de pelo menos R$ 2,7 milhões da empreiteira Andrade Gutierrez, entre 2007 e 2011, referente as obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), da Petrobrás.
O magistrado fixou o regime fechado para o início de cumprimento da pena.Entre os crimes de corrupção e de lavagem, há concurso material, motivo pelo qual as penas somadas chegam a catorze anos e dois meses de reclusão, que reputo definitivas para Sergio de Oliveira Cabral Santos Filho”, decretou Moro.
A ex-primeira-dama Adriana de Lourdes Ancelmo foi absolvida ‘das imputações de crimes de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro por falta de prova suficiente de autoria ou participação’. O juiz Moro condenou ainda o ex-secretário do governo do peemedebista Wilson Carlos Cordeiro da Silva Carvalho – 10 anos e 8 meses – e o ‘homem da mala’ Carlos Miranda – 10 anos – por corrupção e lavagem de dinheiro.
O magistrado decretou, ’em decorrência da condenação pelo crime de lavagem’ a interdição de Sérgio Cabral, Wilson Carlos e Carlos Miranda ‘para o exercício de cargo ou função pública ou de diretor, membro de conselho ou de gerência das pessoas jurídicas referidas no artigo 9º da mesma lei pelo dobro do tempo da pena privativa de liberdade’.

Com receio de operação, Geddel oferece passaporte e sigilo bancário

Terça feira 13 de Junho, por Juliana Ribeiro,ás 11;00hs//Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

O ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) colocou à disposição do STF (Supremo Tribunal Federal) seus sigilos bancário e fiscal, em tentativa de evitar ser alvo de operações. Ele afirmou à corte que pode entregar o passaporte e que abre mão de realizar movimentações bancárias maiores do que R$ 30 mil, se comprometendo a avisar sobre operações acima desse valor. O peemedebista foi citado algumas vezes no inquérito que investiga o atual presidente, mas não aparece como investigado.
Joesley Batista, um dos donos da JBS, afirmou em delação premiada que seu contato no governo para assuntos do interesse da empresa era com Geddel. O operador Lucio Funaro, preso na Papuda, disse em depoimento à Polícia Federal que o ex-ministro fez algumas ligações para sua esposa para sondar qual era a real possibilidade de uma delação premiada ser efetuada.
“Salvo motivo de força maior, o peticionário [Geddel] não efetuará movimentação relevante de valores em sua conta corrente, excetuando apenas o pagamento das suas despesas mensais domésticas, comprometendo-se, desde já, a informar previamente a todos os órgãos responsáveis pela persecução penal sobre qualquer movimentação individual que supere o montante de R$ 30 mil”, escreveu a defesa de Geddel.
Na manifestação, os advogados do ex-ministro qualificam a mídia como sensacionalista, por colocarem o político como o “próximo alvo” dos investigadores. Eles afirmaram ter convicção de que não há motivo para medidas cautelares, como busca e apreensão, condução coercitiva ou até mesmo prisão, mas “por excesso de zelo” colocam à disposição do Supremo o passaporte do cliente —e também de qualquer outro aparelho que seja solicitado.
No último dia 8 de junho, Geddel ficou em silêncio em depoimento à Polícia Federal, no âmbito do inquérito de Temer. A defesa afirmou que ele não tinha tido acesso aos autos e que fora intimidado apenas dois dias antes, sem tempo para conhecimento acerca das investigações.

Marco Aurélio cobra do Senado afastamento de Aécio Neves

Terça feira 13 de Junho, por Juliana Ribeiro,//Foto:Reprodução Montagem

Mais de 20 dias após o STF determinar que o senador mineiro fosse afastado do mandato, o Legislativo ainda não cumpriu a decisão da Corte

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, cobrou do Senado, nesta segunda-feira (12), o afastamento do tucano Aécio Neves. Mais de 20 dias após o STF determinar que o senador mineiro fosse afastado do mandato, a Casa ainda não cumpriu a decisão da Corte.

“Enquanto não altera a decisão judicial, ela tem que ser cumprida. Mas, como parece, nessa quadra é comum deixar-se cumprir decisão judicial. Tempos estranhos, tempos estranhos”, afirmou Marco Aurélio, que é relator do caso, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.


Intervenções de tráfego fazem parte do ‘Salvador Investe’, eixo do Salvador 360

Terça feira 13 de Junho, por Juliana Ribeiro,//Foto: Estela Marques / BNotícias

A prefeitura de Salvador assinou na manhã desta terça-feira (13) a ordem de serviço para execução de obras em quatro áreas da cidade para a melhoria da mobilidade: Stiep, Imbuí, São Cristóvão e Cajazeiras. O investimento total é de R$ 3 milhões. “

As intervenções de mobilidade anunciadas nesta terça-feira (13) pela prefeitura de Salvador integra o do programa Salvador 360, que distribui ações em oito eixos centrais de atuação. “Neste caso, as obras viárias compõem o eixo quer sequer ainda foi lançado, o Salvador Investe, que tem o caráter de mudar economicamente nossa cidade. Essas obras vão ajudar a ativar economia em lugares importantes da cidade que têm potencial de ampliação da atividade econômica”, explica Neto, citando que os pontos abrangidos pelas alterações de tráfego autorizadas nesta terça – Stiep, Imbuí, São Cristóvão e Cajazeiras – como áreas que já possuem comércio consolidado ou potencial econômico. O segundo eixo do Salvador 360 será anunciado nesta quarta (14), em evento na Federação das Indústrias do Estado da Bahia (Fieb), às 9h. “Vamos anunciar incentivos fiscais e medidas pra atrair novos negócios e novas empresas. Tudo isso está acontecendo no momento que o país vive crise séria”, adiantou o prefeito. 


Acordo de delação do marqueteiro Duda Mendonça chega ao STF

Terça feira 13 de Junho, por Juliana Ribeiro,//Foto Reprodução
O acordo de delação premiada do marqueteiro Duda Mendonça com a Polícia Federal chegou ao gabinete do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), com afirmações que colocam em foco o líder do PMDB na Câmara, Baleia Rossi (SP), um dos principais aliados do presidente Michel Temer no Congresso.
A Ilha Produção, uma empresa de produção audiovisual da família de Rossi, que preside o PMDB paulista, é citada por Duda como recebedora de “recursos não contabilizados” de R$ 4 milhões na campanha eleitoral de Paulo Skaf (PMDB), presidente da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) e candidato ao governo de São Paulo em 2014. Segundo Duda, o dinheiro veio da Odebrecht e foi entregue em diversos hotéis de São Paulo.
O marqueteiro afirmou, segundo a Folha apurou, ter ouvido de Skaf que houve “uma pressão do PMDB, mais particularmente do deputado Baleia”, para a contratação da Ilha Produção, pertencente a um irmão do líder do PMDB.
Contudo Baleia, citado nominalmente por Duda na delação, pode não ser investigado porque a Procuradoria-Geral da República, que investiga Temer no âmbito da delação da JBS, é contrária ao acordo com a PF. A Procuradoria pediu formalmente a Fachin que desautorize a colaboração, sob o argumento de que cabe apenas ao Ministério Público negociar e celebrar delações premiadas.Continuar lendo

(mais…)