Cientistas políticos analisam o efeito do atentado a Bolsonaro no jogo eleitoral

Sexta feira 07 de Setembro ppr Luciana Sampaio Moreira

Bolsonaro foi atacado quando fazia campanha em Juiz de Fora

Bolsonaro foi atacado quando fazia campanha em Juiz de Fora

O atentado ao presidenciável Jair Messias Bolsonaro (PSL), na tarde desta quinta-feira (06), em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, teve repercussão imediata entre os estudiosos da política. Com 22% das intenções de voto, o candidato está na liderança pela corrida ao Palácio do Planalto nas eleições de outubro.

O cientista político, sociólogo e professor universitário Moisés Augusto Gonçalves lamentou o ocorrido e ressaltou que o caso deve ser investigado e o culpado punido. “Certamente, o fato será usado como arma política no jogo eleitoral. Mas isso não é aceitável porque Bolsonaro não foi o único político vítima de violência neste ano”, disse, referindo-se ao assassinato da vereadora carioca Marielle Franco.  Para ele, esse tipo de uso foge de uma disputa pautada pela ética, respeito, valores e dignidade humana.

Em contrapartida, o professor lembrou que as pessoas que estimulam a violência e incitam o ódio também podem ser vítimas, o que é ruim para o processo democrático e para a sociedade.

Segundo o professor e cientista político da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Paulo Roberto Figueira Leal, todo ato de violência deve ser prontamente investigado e punido. No entanto, cabe também à sociedade analisar que uma ocorrência do gênero representa uma resposta prática ao clima de polarização política e incitação do ódio que tem ganhado espaço no Brasil, nos últimos anos. “É preciso compreender que diversas lideranças, entre as quais o próprio Bolsonaro, têm contribuído para o clima de ódio que permeia as discussões políticas. De alguma forma, hoje as coisas saíram do controle”, enfatizou.

O professor lembrou que o dia do candidato, em Juiz de Fora, não começou bem. “O clima de agressividade também é parte da campanha dele. Durante a visita ao Hospital do Câncer de Juiz de Fora (Asconcer), militantes vestidos de preto causaram tumulto com pacientes”, relatou.


Jair Bolsonaro chega ao Hospital Albert Einstein depois de viajar de avião e helicóptero

Sexta feira,07 de Setembro por Juliana Ribeiro via G1
Jair é levado até ambulância para ser transferido. Foto: TV Globo

O candidato Jair Bolsonaro (PSL) chegou há pouco no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, depois de deixar por volta das 8h20 Juiz de Fora, onde foi submetido a uma cirurgia na Santa Casa de Misericórdia. Ele desceu no Aeroporto de Congonhas, de onde seguiu de helicóptero até o Palácio dos Bandeirantes e de lá, de ambulância até o Hospital. Em frente ao local, no bairro do Morumbi, apoiadores de Jair Bolsonaro começam a chegar aos poucos. As amigas aposentadas Ana Maria Bolsinhas, 74, e Ana Serra, 67, chegaram às 10h15, vestidas de verde e amarelo para prestar solidariedade ao candidato do PSL. “Que venha muita gente aqui fazer vigília como fazem para o bandido lá”, disse Bolsinhas, referindo-se ao ex-presidente Lula (PT), preso em Curitiba. Segundo ela, quem planta o ódio são os outros.”Aí porque ele faz sinalzinho [de arma] com a mão…”. Serra, com uma camiseta com o rosto do candidato, disse que agora Bolsonaro será eleito’no primeiro turno”. Com informações da Folha.


ACM Neto compara ataque a Bolsonaro ao caso Marielle: ‘Atentado à democracia’

Sexta, 07 de Setembro /por Guilherme Ferreira / Renata Farias

ACM Neto compara ataque a Bolsonaro ao caso Marielle: 'Atentado à democracia'

Foto: André Carvalho / Ag Haack / Bahia Notícias

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), comparou nesta sexta-feira (7) o ataque ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) ao assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL). Para o democrata, ambos os casos não se tratam de ataques pessoais, mas de um atentado à democracia.

“Como se já não fosse o bastante estarmos vivendo, quase que há quatro anos, uma grande crise, a gente mostra ao mundo que há espaço no Brasil para atos como o que aconteceu ontem, de violência e de atentado à democracia. Ali não foi um atentado contra o candidato Bolsonaro, da mesma forma quando assassinaram a vereadora Marielle, no Rio de Janeiro. Independente da questão partidária ou ideológica, não se pode jamais querer combater ideias na violência”, afirmou pouco antes do início do desfile de 7 de setembro, no Campo Grande.

Na avaliação de Neto, o momento atual é de aguardar a recuperação de Bolsonaro, já que “a vida humana vem à frente da política”. O prefeito ainda defendeu a busca por um pacto a favor da paz, que reflita a essência do povo brasileiro. “O Brasil não é o que aconteceu ontem em Minas Gerais, o Brasil é um país solidário. As pessoas se respeitam, convivem com as diferenças. E é isso que a gente tem que pregar até 7 de outubro”.


Rui defende Lula, mas reconhece prejuízo de Haddad por não aparecer como candidato

Sexta, 07 de Setembro /por Guilherme Ferreira / Jade Coelho
Rui defende Lula, mas reconhece prejuízo de Haddad por não aparecer como candidato

Foto: Guilherme Ferreira/ Bahia Notícias

O governador da Bahia e candidato a reeleição, Rui Costa (PT), defendeu a insistência e o direito do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de utilizar todos os recursos disponíveis para garantir a candidatura nas eleições de outubro. “Eu acho que é do ambiente democrático a pessoa usar todos os recursos democráticos e legais que tem. Até terça deve definir isso e o nome deve ser Fernando Haddad”, disse.

Rui reconheceu que o ideal seria que Fernando Haddad (PT), tivesse mais tempo para se colocar como candidato à presidência da República, mas que isso significaria “Lula abrir mão de sua defesa”. “Isso não podemos pedir a ninguém”, completou. 


Jair Bolsonaro é transferido para hospital em São Paulo

Sexta feira, Por César Menezes, TV Globo  

Candidato à Presidência será levado para o Hospital Albert Einstein. Estado dele é considerado “extremamente estável” e, com isso, família decidiu sobre a transferência.

Com quadro 'extremamente estável', Bolsonaro é transferido para hospital em São Paulo

Foto: Reprodução / TV Globo

Jair Bolsonaro, candidato à Presidência pelo PSL, está sendo transferido para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo na manhã desta sexta-feira (7). Bolsonaro estava internado na Santa Casa de Juiz de Fora (MG), onde passou por uma cirurgia após o ataque que sofreu na quinta-feira (6) em Minas Gerais.


Comandante do Exército repudia ataque contra Bolsonaro

Sexta feira, 07 de Setembro por Julliana Ribeiro

Villas Bôas também pediu serenidade e o “combate aos radicalismos”

Foto: aBr
Foto: aBr

O comandante do Exército, general Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, repudiou o ataque sofrido pelo candidato do PSL à Presidência da República Jair Bolsonaro, ocorrido na tarde dessa quinta-feira (6), quando fazia campanha na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais.

Em nota divulgada pelo Comando do Exército, o general Villas Bôas diz que “repudia veementemente o ato de violência extrema perpetrado contra a vida do deputado Bolsonaro, candidato à Presidência da República”.

O comandante do Exército também defende a “manutenção da serenidade, o combate aos radicalismos e a confiança nos órgãos de segurança pública, para que todos juntos ultrapassemos esse desafio à nossa democracia e à paz social”.

Villas Bôas conclui a nota prestando solidariedade à família de Jair Bolsonaro “neste neste momento de apreensão” e deseja ao candidato do PSL “pronta recuperação”.

Jair Bolsonaro está internado na UTI do Hospital da Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, onde foi submetido a uma intervenção cirúrgica realizada por uma equipe médica da unidade hospitalar.

Bolsonaro foi atingido por uma facada na região do intestino, desferida por um homem, quando era carregado por apoiadores durante campanha na cidade de Juiz de Fora. O suspeito de ter esfaqueado o candidato, Adélio Bispo de Oliveira, de 40 anos, foi detido por populares e seguranças.

Ele foi levado por policiais federais para a Delegacia da Polícia Federal da cidade mineira onde prestou depoimento. A equipe médica da Santa Casa de Misericórdia deve fazer uma nova avaliação do estado de saúde do candidato do PSL no início desta manhã.


Vídeo de Bolsonaro na UTI: “Obrigado, Brasil”

Sexta feira 07 de Setembro ,por Juliana Ribeiro

Reprodução/Twitter

Em um vídeo gravado na Santa Casa de Juiz de Fora (MG) e divulgado em rede social na madrugada desta sexta-feira (7) pelo senador Magno Malta (PR), o candidato do PSL à Presidência da República Jair Bolsonaro aparece falando pela primeira vez desde o ataque de quinta (6), em Minas Gerais. Ele diz que nunca fez mal a ninguém e que se preparava para os riscos da campanha eleitoral.

“Até o momento, Deus quis assim. Eu me preparava para um momento como esse porque você corre riscos. Mas, de vez em quando, a gente duvida, né! Será que o ser humano é tão mau assim? Nunca fiz mal a ninguém”, afirmou Bolsonaro.

Magno Malta aparece acompanhado dos filhos de Bolsonaro. No início do vídeo, o grupo orou. O candidato do PSL aparece deitado num leito da UTI. Ele está acordado e lúcido, mas a voz é fraca e baixa.

Bolsonaro agradeceu a Deus, à família, à equipe médica que “impediu que o pior acontecesse”, e falou sobre o momento em que foi esfaqueado. “Senti apenas uma pancada na boca do estômago”. E acrescentou: “A dor era insuportável. Parecia que tinha algo mais grave acontecendo”.

O presidenciável agradeceu a equipe que o atendeu no hospital. “Quero agradecer a Deus por este momento. Somos mortais. Quero agradecer também aos médicos e enfermeiros, que me viram desde o começo. Estava muito preocupado, parecia apenas uma pancada na boca do estômago. Já levei uma bolada no futebol. A dor era insuportável. Parecia que tinha algo mais grave acontecendo. Essa equipe maravilhosa, abençoada, evitou que o mal maior acontecesse. Em nome deles, meu muito obrigado aos médicos, enfermeiros, por todo o Brasil”, afirmou.

Bolsonaro falou sobre a campanha e o ataque inesperado. “Todos nós temos uma missão aqui na Terra e a missão será cumprida por mim e você Magno”.

Ele falou também sobre a importância da família. “A questão da família tem Deus e depois tem a família, e a família, com todo respeito aos profissionais, é importantíssima porque nesse momento é no que a gente pensa em primeiro lugar. O que nós podemos juntos é fazer e se garantir. Nesse momento em que meus filhos estão aqui, agradeço a vocês que estão aqui, minha esposa que está chegando. Obrigado Brasil. Estamos juntos!”

Bolsonaro lamentou não poder ir nesta quinta ao Rio, para o desfile de 7 de setembro. “Nesse dia, às vésperas do 7 de Setembro, infelizmente não vou poder comparecer amanhã (hoje) à Presidente Vargas, para o desfile do 7 de Setembro. Mas estamos com coração e mente, sempre tendo um Brasil acima de tudo e Deus acima de todos


Cirurgia em Jair Bolsonaro é concluída e candidato segue para UTI

Quinta, 06 de Setembro ,por Juliana Ribeiro

A cirurgia no candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) foi concluída e ele seguiu para uma UTI do hospital onde está internado na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Segundo informações da GloboNews, a hemorragia provocada pela facada foi controlada.

Matérias Relacionadas

Eleições 2018:Bolsonaro é esfaqueado durante ato de campanha em Minas Gerais; veja vídeo
Polícia Militar confirma identidade do suspeito de atentado a Jair Bolsonaro; ele confessou o crime, segundo a PM

Cármen Lúcia diz que ataque a Bolsonaro deve ser apurado com celeridade

Quinta, 06 de Setembro ,Por Flávia Cristini, G1 MG  

Presidente do Supremo Tribunal Federal manifestou por meio da assessoria ‘enorme preocupação com a garantia das liberdades dos candidatos e dos eleitores, qualquer que seja a posição ou ideologia

A ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (Foto: Reprodução/JN)

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, afirmou nesta quinta-feira (6), por meio de nota divulgada por sua assessoria, que o ataque ao candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, deve ser apurado com celeridade.

Segundo a assessoria, Cármen Lucia manifestou “enorme preocupação com a garantia das liberdades dos candidatos e dos eleitores, qualquer que seja a posição ou ideologia adotada por quem quer que seja e ainda que sejam contrárias, como expressão de um processo eleitoral democrático”.

Ela disse ainda que deve ser renegada “qualquer forma de violência ou de desrespeito aos direitos, pelo que há que se apurar com celeridade, segurança e com apresentação de resultados o que efetivamente se passou, o responsável e qual medida jurídica a ser imediatamente adotada”.

Mais cedo, em nota, a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber, disse que a Corte “repudia toda e qualquer manifestação de violência, seja contra eleitores, seja candidatos ou em virtude do pleito”.

Durante ato de campanha nas ruas de Juiz de Fora (MG), o deputado levou uma facada na região da barriga e foi levado para a Santa Casa de Misericórdia, para ser operado por uma lesão.

A Polícia Federal informou que o agressor foi preso em flagrante e conduzido para a delegacia da cidade, que foi aberta investigação para “apurar as circunstâncias do fato”.

O suspeito de ter dado a facada foi identificado pela PM como Adélio Bispo de Oliveira. Segundo informações da polícia, ele foi espancado por pessoas que estavam no local.

Segundo o comandante do 2º Batalhão da PM de Juiz de Fora, tenente-coronel Marco Antônio Rodrigues de Oliveira, o suspeito “alegou que tentou ferir o candidato Jair Bolsonaro por ter divergências de ideias e pensamentos com ele. Ele não tem nenhuma filiação partidária. Falou que [foi] uma questão pessoal dele. Depois não manifestou mais nada”.

Fonte via G1

Celso de Mello rejeita pedido de Lula para suspender decisão que barrou candidatura

Quinta, 06 de Setembro por Juliana Ribeiro

Segundo o ministro, não é possível suspender a decisão porque o recurso apresentado ainda não chegou efetivamente no STF

A defesa de Lula alegou que há urgência no deferimento da liminar porque a campanha eleitoral está em curso e há possibilidade de a decisão do TSE ser derrubada. (Foto: Mateus Bonomi/Folhapress)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello decidiu há pouco rejeitar pedido feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para suspender a decisão da Justiça Eleitoral que barrou, na semana passada, seu registro de candidatura à presidência da República nas eleições de outubro.

Na decisão, o ministro negou o recurso por motivos processuais. “Não conheço do pleito que objetiva, na espécie, a outorga de eficácia suspensiva ao recurso extraordinário interposto pelo ora requerente, eis que totalmente prematura a formulação”, decidiu.

A defesa alegou que há urgência no deferimento da liminar porque a campanha eleitoral está em curso e há possibilidade de a decisão do TSE ser derrubada.

Lula está preso desde 7 de abril na superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde cumpre pena de 12 anos e um mês imposta pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) no caso do triplex no Guarujá, em São Paulo. (ABr)