Janot recorre ao plenário do STF e pede prisão de Aécio e Rocha Loures

Segunda feira, 22 de Maio, por Camila Matos

O pedido será analisado pelo plenário do STF, formado pelos 11 ministros da Corte

Foto: Lula Marques/ Agência PT
Foto: Lula Marques/ Agência PT

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu novamente nesta segunda-feira (22) ao Supremo Tribunal Federal (STF) a prisão do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) e do deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR).

A PGR recorreu da decisão do ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato, que negou a semana passada  a prisão preventiva (antes da condenação) dos parlamentares. O pedido será analisado pelo plenário do STF, formado pelos 11 ministros da Corte.


Ex-presidente Lula é denunciado na Lava Jato por caso envolvendo sítio em Atibaia

Esta é a terceira denúncia contra o ex-presidente que parte da força-tarefa, em Curitiba.

Foto: reprodução/Globo News

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi denunciado nesta segunda-feira (22), na Operação Lava Jato, em função das investigações que envolvem um sítio em Atibaia, no interior de São Paulo. A denúncia foi apresentada pelos procuradores que compõem a força-tarefa da Lava Jato, à Justiça Federal, em Curitiba.

Esta é a terceira denúncia que o Ministério Público Federal (MPF) apresenta à Justiça, em Curitiba, contra Lula. Nas outras ações penais, ele é acusado de ter, supostamente, recebido propina das construtoras OAS e Odebrecht. (Leia mais abaixo)

Caberá ao juiz Sérgio Moro, responsável pelas ações penais da Lava Jato, definir se recebe ou não a denúncia do MPF. Se ele aceitar, o ex-presidente passará a ser réu também neste novo processo.

Além de Lula, outras 12 pessoas são citadas neste processo. Todos são acusados pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva.

Entre os denunciados, estão o ex-presidente do Grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, o pai dele, Emilio Odebrecht, o ex-presidente da construtora OAS, José Aldemário Pinheiro Filho e o empresário Fernando Bittar, dono do sítio que é alvo da ação penal.

Processos em Curitiba

Lula é réu em dois dos três processos relacionados à Operação Lava Jato em Curitiba. Em um deles, o ex-presidente é acusado de ter recebido R$ 3,7 milhões da empreiteira OAS por meio de da reserva e reforma de um apartamento tríplex, em Guarujá (SP). Após depoimento de testemunhas, agora, o MPF e a defesa devem apresentar as alegações finais, última etapa antes de o juiz dar a sentença.No outro processo, Lula é acusado de ter recebido vantagens indevidas da Odebrecht, por meio da compra de um terreno, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, e também de um apartamento no mesmo andar do prédio em que ele mora, na mesma cidade.O terreno seria usado para construir uma nova sede para o instituto social que leva o nome do ex-presidente, e o apartamento é usado até hoje por Lula, como casa para os policiais federais que fazem a segurança dele.  a imprensa  tenta contato com as defesas das pessoas citadas na denúncia.

Fonte e informações via G1

Base aliada de Temer defende eleições indiretas

Segunda, 22 de Maio, por Juliana Ribeiro //Fotos: Agência Senado

Avaliando que o governo Michel Temer pode estar com os dias contados, parlamentares da base já começam a se articular para defender eleições indiretas. Por ser o último na linha sucessória, Rodrigo Maia (DEM) presidiria o país por 30 dias e conduziria o processo.
À excessão dos oposicionistas, que são maioria no Congresso, deputados e senadores dizem que a votação de uma PEC que convocasse eleições diretas seria longa e faria com que o país vivesse ainda mais instabilidade.
Há ainda o medo de que, com eleições diretas, radicais de direita ou de esquerda tenham chances ou o ex-presidente Lula volte ao poder. Apesar disso, eles não conseguem cravar um nome para a sucessão.

FHC aciona Jobim para articular ‘sucessão controlada’; ex-presidente liga para Temer

Segunda, 22 de Maio, por Juliana Ribeiro //Foto: Wilson Dias / Agência Brasil

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu neste fim de semana a realização de uma “sucessão controlada”, com um acordo entre todas as forças políticas para chegar a 2018. Segundo informações do jornal O Globo, o tucano afirmou a dois interlocutores ter avaliado que o presidente Michel Temer não conseguirá se manter no cargo. Diante do cenário, ele ligou no último sábado (20) para o ex-ministro e ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Nelson Jobim para iniciar a articulação. De acordo com O Globo, a escolha por Jobim, que foi ministro da Defesa nas gestões Lula e Dilma Rousseff, foi feita para permitir uma ponte com o PT. FHC propõe que todos possam se enfrentar nas eleições de 2018, mas que no momento, é necessária a união. A pessoas próximas do PMDB, no entanto, ele informou que o PSDB não pode “trair” Temer. Ele também ligou para o presidente no sábado e o aconselhou a “resistir” e “ficar firme” na crise política que enfrenta – na quinta, em texto publicado nas redes sociais, defendeu a renúncia, caso as alegações da defesa dos implicados “não fossem convincentes”. O objetivo de Fernando Henrique seria evitar uma saída aventureira ou casuística (de submissão cega a uma doutrina). Há também uma preocupação com o futuro do PSDB, já que o ex-presidente do partido, o senador Aécio Neves (PSDB), foi um dos principais implicados na delação da JBS. A reunião da sigla que ocorreria neste domingo (21) para decidir sobre a presença da legenda no governo foi cancelada. “A reunião foi cancelada porque vazou para a imprensa que esta seria uma reunião de decisão sobre a permanência do partido no governo ou não. Como a reunião não tinha esse propósito, foi melhor foi cancelá-la, pois não seria possível fazer qualquer tipo de anúncio de decisão, já que não era essa a finalidade”, afirmou o líder do PSDB no Senado, Paulo Bauer (SC).


Temer estuda retaliar a JBS, diz colunista

Segunda 22 de Maio por Juliana Ribeiro //Foto: Divulgação/Ascom

Presidente quer entrar em confronto econômico com a empresa, além do embate jurídico

Foto: Divulgação/Ascom

Depois de ser delatado pelo dono da JBS, Joesley Batista, o presidente Michel Temer (PMDB) estuda como retaliar economicamente o grupo do empresário, segundo a colunista do G1, Andréia Sadi.

O chefe do Executivo discutiu o assunto com auxiliares neste sábado (20). A avaliação de interlocutores de Temer é que, se o governo conseguir bloquear ações, vão segurar a JBS “no bolso”. Isso porque o “prejuízo será gigante”, nas palavras de aliados de Temer.

Então, a ideia do governo é partir para o confronto econômico com a JBS, além do embate jurídico


Temer diz que pedirá ao STF suspensão do inquérito aberto para lhe investigá-lo

Sábado​, 20 de Maio, por Camila Matos via G1 Brasília ás 

Presidente afirmou que gravação de conversa com empresário Joesley Batista foi ‘manipulada’ com objetivos ‘subterrâneos’. Foi o segundo pronunciamento em três dias.

O presidente Michel Temer afirmou nesta sábado (20), em pronunciamento de 12 minutos e meio no Palácio do Planalto, que ingressará no Supremo Tribunal Federal (STF) com um pedido de suspensão do inquérito aberto com autorização do ministro Edson Fachin para investigá-lo.

Na noite de 7 de março, Temer recebeu o empresário Joesley Batista, dono do frigorífico JBS, na residência oficial do Palácio do Jaburu. O empresário registrou a conversa com um gravador escondido e depois apresentou a gravação a investigadortes da Operação Lava Jato, da qual se tornou delator.

“Li hoje no jornal ‘Folha de S.Paulo’ notícia de que perícia constatou que houve edição no áudio de minha conversa com o sr. Joesley Batista. Essa gravação clandestina foi manipulada e adulterada com objetivos nitidamente subterrâneos. Incluída no inquérito sem a devida e adequada comprovação, levou pessoas a engano. Por isso, no dia de hoje, estamos entrando com petição no Supremo Tribunal Federal para suspender o inquérito proposto até que seja verificada em definitivo a autentiticidade da gravação”, declarou o presidente.


Em nota, Forças Armadas garantem que cumprirão Constituição

Sábado, 20 de Maio por Juliana Ribeiro / Foto Divulgação

A informação foi divulgada horas depois de um encontro com o presidente Michel Temer nesta sexta-feira (19)

Os comandos das três Forças Militares garantiram, em nota que neste momento de crise política, sua total subordinação aos preceitos constitucionais. A informação foi divulgada horas depois de um encontro com o presidente Michel Temer nesta sexta-feira (19).

Nos textos, os comandantes militares disseram que foram “convocados” para o encontro onde se discutiu a conjuntura atual. Os comandantes militares destacam que as Forças Armadas têm seu papel determinado pela Constituição.

Segundo O Globo, o cuidado foi para evitar interpretações de que o encontro com Temer poderia ser um apoio ao presidente neste momento.


Cunha ganhou R$ 30 mi para ‘comprar deputados’ em votação, diz delator

Sexta feira, 19 de Maio, por Juliana Ribeiro

Empresário Joesley Batista afirmou que o dinheiro repassado serviu para peemedebista garantir vitória na disputa pela presidência da Câmara

Eduardo Cunha (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, revelou à Procuradoria-Geral da República (PGR), em sua delação premiada, liberada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira (19), que deu R$ 30 milhões ao deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB) para bancar a campanha do peemedebista à presidência da Câmara, em 2015.

De acordo com Joesley, Cunha “saiu comprando um monte de deputados Brasil afora” com o dinheiro que ganhou. O ex-presidente da Câmara venceu a eleição interna com 267 dos 513 votos.

“R$ 30 milhões. Foi trinta. Nós demos trinta. Pago R$ 10 milhões com nota fria de fornecedores diversos que ele [Cunha] apresentava. Pelo que eu entendi, ele [Cunha] saiu comprando deputado, saiu comprando um monte de deputados Brasil afora. Para isso que servia os R$ 30 milhões”, declarou


‘Não há atalhos’ à Constituição, afirma comandante do Exército sobre crise…

Sexta feira 19 de Maio, por Juliana Ribeiro // Foto:Facebook 

O general Eduardo Villas Boas, comandante do Exército, manifestou-se sobre crise política que engolfa o governo de Michel Temer. O presidente declarou que não renuncia. Mas o general parece não excluir outra hipótese de desfecho para abalo sísmico que sacode Brasília. Mencionou uma única condicionante: a solução precisa caber na Constituição.

“A Constituição Federal Brasileira há de ser sempre solução a todos os desafios institucionais do país. Não há atalhos fora dela!” A declaração de Villas Boas foi feita pelo Twitter.


Filmado recebendo mala de dinheiro, Rodrigo Rocha Loures chega ao Brasil

Sexta feira 19 de Maio, por Juliana Ribeiro /Fotos: Reprodução/GloboNews

O deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), indicado pelo presidente Michel Temer para resolver uma disputa relativa ao preço do gás fornecido pela Petrobras à termelétrica do grupo JBS, segundo reportagem de ‘O Globo’ chegou ao Brasil na manhã desta sexta-feira (19).
Loures estava em Nova York, nos Estados Unidos, acompanhando o evento Person of The Year, no qual o prefeito de São Paulo João Doria foi premiado, e desembarcou no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, às 7h35, uma hora depois de o avião pousar, às 6h25.
No saguão do aeroporto, ele foi chamado de “ladrão”, “bandido” e algumas pessoas pediram “cadeia”. Ele não quis gravar entrevista, entrou em um táxi branco e não respondeu para qual cidade vai.
Após a delação de Joesley Batista, da JBS, o ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin determinou o afastamento de Loures do mandato de deputado federal.