Após Moraes pedir vistas, STF adia decisão sobre restrição do foro privilegiado

Até a interrupção, já haviam votado pela restrição do foro os ministros Luís Roberto Barroso (relator do caso), Marco Aurélio Mello, Rosa Weber e Cármen Lúcia

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, pediu nesta quinta-feira (1) vistas do processo restringi o alcance do foro privilegiado. Na prática, isso pode tirar de vários políticos o direito de serem investigados e julgados diretamente no Supremo em casos, por exemplo, da Operação Lava Jato.
Com o pedido de Moraes, mesmo que outros ministros decidam antecipar seu voto e se forme uma maioria a favor ou contra a restrição, o julgamento só terminará de fato quando o ministro firmar sua posição. Até lá, os magistrados podem mudar seus votos.
De acordo com a Constituição, deputados, senadores e ministros, entre outros, devem ser julgados pelo STF em processos criminais. Já no caso de governadores, por exemplo, a competência é do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Comentários fechados.

Notícias Relacionadas